sábado, 27 de outubro de 2012

POEMAS DO DESESPERO - AMOR AO VENTO


                               


Meu trigo está por ceifar
Em sonhos que semeei.
Os campos estão por lavrar
Tanto para dar e não dei.
************************

Tardando o amor em chegar
E tanto que já esbanjei.
E sendo  tempo de amar
Ao vento, meu amor lancei.
*************************

Tem o dom de se transformar
De minhas penas revestido
Os olhos a lacrimejar
O coração arrefecido.
***************************

Silvará em aldeias, cidades
Planícies, montanhas e vales
Recorrerá a divindades
Tentando sarar meus males.
***************************

Leva em pergaminhos dourados
Tesouros de esperança escondida
Prantos, em versos inspirados
Rimas de ternura retida.
*****************************

Sem bússola para se orientar

Todos serão o seu caminho
E seguindo a Estrela Polar
Reencontrará o meu cantinho.
*******************************

Irá sem rota, a vaguear                    
Por terras de que nem sei
Nem nome e como voltar
Mas se regressar viverei.
*********************************

E sob a luz  do luar
Mais parece um fora-da-lei
Corre, dia e noite, sem parar
Mas se o fizer, morrerei.
*********************************

Pressinto que deva andar
Em terras que não visitei.
Ou, nos areais, à beira-mar
Onde sempre me reencontrei.
*******************************

Nalguma morada estará

Em algum recanto a viver.
Aquela que me encantará
Que irá meus dias encher.
*********************************

Estará presente nesta Era?

Terá existido no passado?
A ser assim bem quisera
A poder ter ressuscitado.
********************************

Se estiver enclausurada

Em monótono convento
Até aí será encontrada,
Pois lá soprará o vento.
*******************************

E ainda que esteja casada
E escrava, na humilhação
Prometo que será libertada
E que pedirei a sua mão.
*******************************

Poderá estar internada
Em hospício, em reclusão
Pelo vento será curada
E cessará a alienação.
********************************

Está, talvez, em meditação
Nalguma ermida isolada.
Findará a solidão
E estará acompanhada
*********************************

Se for a Bela Adormecida

Em profunda hibernação
Irá acordar para a vida
Com uma secreta oração.
*********************************

Mas, se no futuro existir

Se aí, seu tempo, estiver
Láirá o vento sorrir
E a barreira do tempo ceder.
*********************************

E se o vento a encontrar

Aquela com quem sonhei
A boa nova me fará chegar
E como a recompensarei.
********************************

Todo me tenho para dar
Todo eu me oferecerei
Meu amor há-de tornar
E, com ela, renascerei.
*******************************

E do tempo que restar

Prometo que desfrutarei
Será a paixão a reinar
E cada dia a alimentarei.
********************************

E enquanto o Sol brilhar

Em fogo que atearei
Em noites de enregelar
Sua alma aquecerei.
*******************************

E da Terra, lhe darei o Mar

De veleiros todo enfeitado
E com a brisa que soprar
Soará um hino inspirado
*******************************


Por sereias, será entoado

No coro, os peixes estarão
Por harpas acompanhado
Que os anjos dedilharão.
*******************************

E que cantará a felicidade

Promessas de amor sem fim
Quem dera fosse verdade,
Mas, por agora , fico assim !