quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

POESIA DO DESESPERO - TEUS OLHOS, MINHAS ESTRELAS*















A vós da Terra e dos Céus
E de planetas incógnitos.
Reparem nos olhos seus
Partiram, os meus atónitos.

Olhos idos, já sem vida
Dos vivos já são esquecidos.
Tão sofridos, na partida
Dos cruéis males sofridos.

Olhos meigos, olhos ternos
Reflectiando a luz divina.
Por isso, que sejam eternos
Vivos, para além da cortina.

E em outra dimensão
Longe do alcance das mentes
São olhos que reinarão
São uma bênção, presentes.

Na Terra perderam o brilho
Estrelas que empalideceram
Tão penoso foi seu trilho
Das dores de que gemeram

E olhos tão belos, parados
Atendiam a morte esperada.
Teriam eles sido tocados?
Pela certeza do nada?

Eram barcos adornados
Lançando apelos constantes.
Aguas de lágrimas, inundados,
De desesperança,  suplicantes.

Olhos que em tempos idos,
Reinaram em terras da Beira.
Por eles, corações perdidos,
Partiram, reina a cegueira.

E em todo o Universo
Jamais uns olhos assim.
Inspirarão outro verso,
Secou a poesia, em mim.


                                            




Este e outros quadros foram bordados por suas maos
Belo quadro bordado por suas maos

                                                       




 -----------------------------------------
                      POESIA DA TRISTEZA - OLHOS PERDIDOS



 E, QUEM TINHA TAIS OLHOS, PARTIU
 MAS O SEU BRILHO AINDA AQUECE.
 O PRÓPRIO SOL, QUE UM DIA, OS VIU
 E QUE JAMAIS  DELES SE ESQUECE

E SUA BELA VOZ , MELODIOSA
ENCANTO DO CÉU, AI DE MIM
CALOU-SE,  MORREU A ROSA
E O CRAVO DO MEU JARDIM




Estes olhos sonhavam viajar. Não foi possível. Viajarão aqui e agora se alguém os quiser ver, em qualquer parte do mundo

*NOVA VERSÃO DE VERSOS ANTERIORMENTE PUBLICADOS. APESAR DE SEREM UMA HOMENAGEM A ALGUÉM, ( ABSOLUTAMENTE ÚNICA), QUE PARTIU PRECOCEMENTE, NÃO SÃO PARA SEREM LIDOS. NÃO CONSEGUEM COMPETIR COM UM GOLO FUTEBOLÍSTICO OU COM UMA IMBECILIDADE TELE-NOVELESCA.

POEMAS DO DESESPERO - O PORTO DO AMOR




No tempo me vou enredando
Indecisões, desertos em mim.
Das batalhas que vou travando
Ficam chagas, dores sem fim.

Em busca da felicidade,
Que, incauto, desperdicei.
E se me vem a saudade?
De amores de que nem sei?

E meu coração gemendo
Cercado de prostração.
Para esquecer vai bebendo
E já despediu a razão.

E grita minha alma chorosa
Irmã da mente sombria.
Que diga numa só prosa
Como encontrar a alegria.

E que sonha, o que implora?
Meu pobre coração indeciso.
Que ao romper de uma aurora
Irrompa o amor, num sorriso.

Quem sabe, se aparecerá
Trazendo paz, luz, harmonia.
E a esperança renascerá
E me encantará noite e dia.

Mas amor, assim escondido
Não temes que passe a hora?
E se tudo estiver perdido?
Porque te lançei, borda fora?

Para fora do meu navio
Que mete água, mas flutua.
E que ainda sobe o rio
E que, como sempre, recua.

É que sendo o rio juncado
De minas por explodir.
E um barco naufragado
A ninguém poderá servir

Ainda procura um caminho
Aguas calmas, quer navegar.
Talvez encontre um portinho
E poderá, por fim, serenar.




*Nova versão de versos anteriormente publicados 

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

POESIA DA IRA - POLÍTICOS, A VERGONHA DA HUMANIDADE *





Mas Zé, ele é político. Cala a boca Naneco. Nunca ouviu dizer que :
"Ladrão que rouba ladrão, tem cem anos de perdão ? "
                

Como ficar indiferente ?
Olhar para o lado, assobiar ?
Ver que um povo consente
O seu país saquear ?

Décadas de corrupção
Dois polvos de imoralidade
Instalaram-se na governação
Compadres na impunidade

Será que uns são socialistas ?
Outros, social-democratas serão ?
Só se avistam oportunistas
Sanguessugas da Nação

E vota o povo contente
Convencido que desta vez
Tudo vai ser diferente
Que cessará a malvadez

Mas nada se irá alterar
Nem as moscas mudarão
Trocarão só de lugar
Até à próxima eleição

Emigra o povo, desesperado
Ficam só os idosos e doentes
E as crianças com o futuro castrado
Nada os comove, políticos dementes



Reunião dos chefes dos partidos do governo
e da oposição, preparando medidas para o bem
do povo

DÉCADAS E DÉCADAS A ACREDITAR NOS MESMOS FACÍNORAS. CONTINUEM A ACREDITAR. ELES AGRADECEM E ATÉ, ELES MESMOS, SE ESPANTAM COM A FACILIDADE COM QUE VOS ENGANAM. DO ALTO DA SUA  INCULTURA, ARROGÂNCIA E MALVADEZ PENSAM COMO QUEM VOTA NELES É INGÉNUO. ANTIGAMENTE GRITAVA-SE ÀS ARMAS. AGORA O POVO GRITA: É GOLO!!!!!
ARRE!!!!!!!!!!!!
* REPOSIÇÃO, DEPOIS DE CORRIGIDO

domingo, 18 de dezembro de 2011

VIAGEM C ( Nº 18 ) - FRANCE - ( SAINT-OMER + ARQUES + BERGUES )



                                     DE LISBOA À BÉLGICA      
     
                                    FROM  LISBON TO BELGIUM




FRANCE

                                                                     


                                                       SAINT-OMER


Esta cidade, com uma grande praça principal, com muitos lugares para estacionar, tem algumas ruas estreitas e um cais. Mas o principal é a sua catedral. É uma das maiores catedrais góticas de França. O seu interior, em termos de arte, é muito interessante. Com muitos vitrais e um belo tímpano, os principais destaques vão para os túmulos, mas especialmente para o seu enorme e belo órgão barroco e para o relógio astrológico. Gostei muito do seu interior. FABULOSO


AMAZING CATHEDRAL ( INSIDE )














SAINT-OMER  ( FRANCE )
SAINT-OMER ( FRANCE )


SAINT-OMER (FRANCE)
SAINT-OMER ( FRANCE )








SAINT-OMER ( FRANCE )
SAINT-OMER ( FRANCE )



























SAINT-OMER ( FRANCE )
SAINT-OMER ( FRANCE )


SAINT-OMER ( FRANCE )
SAINT-OMER  (FRANCE)


















SAINT-OMER ( FRANCE )










SAINT-OMER ( FRANCE )


SAINT-OMER ( FRANCE )
SAINT-OMER ( FRANCE )












SAINT-OMER ( FRANCE )
SAINT-OMER ( FRANCE)














SAINT-OMER ( FRANCE )
SAINT-OMER ( FRANCE )

























VITRAIS DA CATEDRAL DE SAINT-OMER










































































































































                                                                         ARQUES










                                                               BERGUES


Pequena cidade histórica. Rodeada de muralhas do Séc IX e reconstruídas no Séc XIX. O seu campanário é património mundial da humanidade ( world heritage ).
Situa-se na região da Picardia, Flandres, a 9 Kms de Dunkerque e a 15 Kms da fronteira da Bélgica


( P )     GPS  N 50.96503 ; E  2.43236    











BERGUES - FRANCE
BERGUES - FRANCE - WORL HERITAGE


BERGUES - FRANCE
BERGUES - FRANCE


BERGUES - FRANCE
BERGUES - FRANCE

VITRAIS